• Douglas Dolijal

Por que Christian Watson pode ser um Steal no Fantasy em 2022

Estivemos um pouco fora do ar nos últimos meses, sem muitos textos nem sequências, e para compensar vocês pela espera e paciência, vamos começar uma pequena série sobre os rookies que chegam para a NFL este ano, e o porquê alguns deles podem ser um grande Steal nos drafts de fantasy para a temporada de 2022. Para começar a série, eu escolhi um jogador que eu estou apaixonado, e foi a minha primeira escolha no draft de calouros da minha liga principal este ano: Christian Watson, Wide Receiver de Green Bay.



Razão 1: O Quarterback


Watson recebeu uma das chances mais aguardadas pelos recebedores da classe deste ano, a de cair com um Quarterback de alta qualidade que fosse capaz de tirar o melhor dele já no primeiro ano, e como isso é um fator importante no Fantasy, já lhe daria um bom valor para sua primeira temporada, porém, como substituto de Davante Adams, e não como seu companheiro, o ex-North Dakota State, possivelmente será o alvo principal de Rodgers em momentos em que a janela apertar, principalmente se usarmos seu tamanho e velocidade como agentes nessa equação. Capaz de correr o 40y dash em 4.36 segundos, e pulando 98 cm no salto vertical, isso em um cara de 1,96 metros, faz dele uma aberração semelhante ao DK Metcalf.



Razão 2: O esquema


O sistema do Matt LaFleur consiste em rotas rápidas e jogadas que abrem as defesas, gerando assim jogadas de campo aberto para recebedores rápidos, vide Marquez Valdes-Scatling nos anos anteriores. MVS era o alvo de rotas longas, porém sua falta de confiança acabava por limitar seus números ao longo das temporadas. Watson tem a velocidade para fazer o que MVS fazia, porém com uma capacidade maior de produção após a recepção, além de ser levemente maior. Além da velocidade, Christian consegue desacelerar e acelerar novamente enquanto desenvolve a rota, além de ser uma boa arma saindo do backfield em jet sweps. O esquema é perfeito para as capacidades atléticas do calouro.


Razão 3: A concorrência


O melhor recebedor do time dos Packers hoje é um cara que não consegue se manter saudável, e aí podemos escolher entre Watkins e Cobb, que já são veteranos jogadores. Lazard nunca se firmou como segundo recebedor do time, nem se provou a altura de substituir Adams neste momento do time. Malik Taylor e Chris Blair não são jogadores para serem titulares neste elenco, a menos que exista magia e os faça subirem de nível de forma quase inédita na NFL. Amari Rodgers foi pouco usado no seu primeiro ano, além de não ter se firmado nem como retornador dos Packers, mesmo sendo praticamente o único no elenco. Doubs e Toure chegaram do draft deste ano, e são talentos brutos a serem lapidados, porém, Watson foi uma escolha alta, feita após uma troca com um rival de divisão, em uma crença da equipe com a benção do Quarterback, o que já deixa ele em um lugar bem mais confortável neste início de carreira.



Contras


Watson jogou em uma liga menor no college, e enfrentou jogadores menos badalados (entenda menos habilidosos), o que fez com que a sua dominância no college sofresse uma diminuição, se comparada a outros jogadores de programas maiores. Além da concorrência, a árvore de rotas dele foi pouco trabalhada neste período em North Dakota, já que em sua maioria elas exigiam poucos cortes e mais corridas. E os drops, quando não jogou com um QB chamado Trey Lance, seus números de drops subiram muito acima se comparados a quando jogou com o agora Signal Caller dos 49ers.


Watson é uma besta, seu atleticismo é muito fora da média, e pode ser um fator muito importante para seu sucesso na NFL. Suas técnicas devem ser lapidadas, e se bem-feitas, podem transformar o garoto em um dos maiores Steals do draft de 2022 no Fantasy Football.

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png