• Daniel Almeida

Conhecendo o College – Florida Gators

As últimas semanas têm sido muito agitadas para os fãs dos esportes americanos. Playoffs da NHL e NBA, temporada regular da MLB, uma offseason muito movimentada na NFL e, claro, tivemos também o bombástico posicionamento da Suprema Corte Americana declarando a inconstitucionalidade do sistema de não remuneração por direitos de imagem no College Football. Uma notícia como essa sempre acaba levantando a atenção para a NCAA, mesmo em uma época na qual ela costuma ser deixada de lado por conta de outras competições tomando o protagonismo devido à suas pós-temporadas, enquanto a FBS segue em uma teórica monotonicidade, sem nem mesmo partidas sendo disputadas.



Mas, deixando essa grande notícia no cenário do Futebol Americano Universitário de lado (até porque diversas matérias, como essa e essa outra aqui, foram publicadas sobre o assunto), podemos dizer que para a grande maioria dos fãs de College – brasileiros, em especial – está sendo um tédio apenas assistir partidas antigas da NCAA no Youtube e esperar pela temporada, que se iniciará apenas no final de Agosto.


Frise-se: a grande maioria, não todos. Isso mesmo, porque eu sei que você que acompanha o Portal e o canal Golim Sports está dispondo de um conteúdo de qualidade sobre Futebol Americano Universitário, cujo objetivo é te deixar informado e entretido até que finalmente chegue o esperado dia da estreia do College Football em 2021. A partir daí, claro, a cobertura vai ficar ainda mais legal. Então agradeça à sua divindade (caso tenha uma) por ter te dado esse maravilhoso Portal, para exterminar de vez a monotonia que usualmente acompanha a offseason da FBS.


Kim Klement/USA TODAY Sports

E algo que tem feito muito sucesso nesse site espetacular é justamente a série Conhecendo o College. Se você acompanha a coluna já a um tempo, sabe que o objetivo dela é trazer aos iniciantes (e também, claro, aos mais experientes) no universo do NCAA informações essenciais e históricas sobre os principais programas da FBS. E hoje, trataremos de Florida Gators, o time que deu ao Gatorade o nome que ele tem (sim, essa é uma curiosidade bem aleatória mas de fato muito interessante).


Talvez o leitor já acompanhe esse site já há algum tempo, e assim tenha notado as características próprias de cada redator. Se esse for o caso, aposto que você já deve ter percebido que gosto de longas introduções como essa. Espero que goste delas, porque eu gosto muito de escrevê-las. De qualquer jeito, se não gostar, saiba que esta aqui está acabando e agora dará espaço à tradições, história, rivalidades e recordes pelas próximas linhas.


A HISTÓRIA DE FLORIDA GATORS


A fundação do programa e seus primeiros anos (1906-1932)


By 1939 Florida Gators football team - ufl.edu, PD-US, https://en.wikipedia.org/w/index.php?curid=51484280

O time dos Gators jogou sua primeira partida em 1906, ainda nas áreas do amadorismo. As atividades profissionais no Futebol Americano só iriam começar por lá cinco anos depois. Ao contrário do usual desempenho ruim que a grande maioria das universidades enfrentam nas suas temporadas iniciais, Florida conseguiu uma fantástica campanha 5-0-1, permanecendo invicta. E olha que dois dos adversários confrontados pela equipe têm grande tradição e história: South Carolina e Clemson (este último, claro, ainda não tendo alcançado o patamar de hoje).


Incrivelmente, essa boa sequência conseguiu seguir até 1916, quando o já esperado declínio na qualidade das atuações de Florida em campo se tornou inevitável, ocasionando uma campanha sem vitórias (0-5). Nos primeiros anos de sucesso do programa, porém, um atleta/estudante que se destacava era o Center Neal Storter, posteriormente apelidado de “Bo Gator”.


As temporadas dos Gators no período entre 1917 e 1924 foram boas, mas não ótimas. Se fosse para usar uma expressão muito empregada em programas esportivos cujo tema é o futebol da bola redonda, eu diria que Florida vencia, mas não convencia. Al Buser, William Kline e J.A Van Fleet foram treinadores da Universidade durante esse tempo.


Em 1925, Tom Sebring, ex-jogador de Kansas State, se tornou o técnico dos Gators. Ele e Charlie Bachman, seu sucessor como treinador do time, fizeram um bom trabalho por 5 anos, levando o time à ótimas temporadas, com exceção de um decepcionante 2-6-2 em 1926. Porém, a partir do início da década de 30, os torcedores de Florida iriam se frustrar com seu programa de Futebol Americano por muitos anos.


A seca de temporadas positivas e o primeiro Bowl (1932-1952)


Com a demissão de Charlie Bachman após uma temporada 3-6 em 1932, Dutch Stanley assumiu as rédeas dos Gators. Ele seria o primeiro de vários técnicos contratados durante a imensa má fase de Florida que estava por vir. Depois de apenas 3 anos, Stanley cedeu seu cargo para Josh Cody. Ele, que tinha tido uma ótima performance quando treinava Clemson, não conseguiu repetir tais boas atuações nos Gators.


Desde que Dutch começou a comandar o programa, uma seca de temporadas negativas durou 15 anos na Florida. A triste sequência para os torcedores da Universidade perduraria mesmo com necessárias mudanças de técnicos e jogadores. Ela só acabaria de vez em 1952, quando o treinador Bob Woodruff liderou os Gators rumo à uma temporada 8-3. Como se fosse uma recompensa por finalmente ter um ano positivo, o time também teve a chance de competir no recém-criado Gator Bowl, o qual ganhou por 17 a 11 contra Tulsa. O Running Back John Hall foi declarado MVP da partida.


As coisas começam a engrenar… (1953-1989)


Reprodução/Pinterest (CNN)

Woodruff lideraria os Gators para mais um Bowl Game, contudo o perderia dessa vez. De 1960 até 1969, o treinador Ray Graves e ótimos elencos tiveram bastante sucesso, principalmente em 1966, quando, com o QB Steve Spurrier e o RB Larry Smith, Florida ganhou o Orange Bowl. Mas o que de fato deixava torcedores impacientes era que o time ainda não tinha conquistado nenhum título, mesmo já tendo vários anos de história e tradição.


Com a demissão de Bob Graves em 69, Doug Dickey assumiu o cargo de técnico. Ele teve altos e baixos com o programa, mas teve seu sucesso de 1973 a 1976, indo para 4 Bowl Games seguidos. O problema é que ele perdeu todos. Sim, parece a história do Buffalo Bills de Jim Kelly nos anos 90, eu sei. O comando dos Gators passou a ser de Charley Pell em 1979. Ele teve, após uma primeira temporada desastrosa, bons desempenhos, mas não o suficiente para continuar no cargo por muito tempo.


Eras Steve Spurrier e Urban Meyer (1990-presente)


Em 1990, o ex-quarterback de Florida Steve Spurrier assumiria o cargo de técnico nos Gators. Além de ter sido um ótimo jogador, ele se tornou também um dos maiores (senão o maior) técnicos da história da Universidade. Foram 12 anos de pura consistência, nos quais um programa que antes não era tão respeitado assim passou a ser temido por todos os outros times da NCAA. O auge dessa dinastia formada na SEC foi 1996, quando Florida finalmente conquistou seu primeiro título nacional.


Algumas das estrelas que figuravam na equipe na época da conquista eram: o fantástico Quarterback Danny Wuerffel, que naquele ano teve 39 touchdowns passados; o Running Back Elijah Williams; e o Wide Receiver Reidel Anthony. A “Era Spurrier” terminaria em 2001, mas seu legado é eterno para os torcedores dos Gators.


Scott Halleran/Getty Images

Urban Meyer ocupou o espaço deixado por Spurrier em 2002. Seu trabalho, embora tenha sido um pouco confuso devido à problemas de saúde e denúncias dos jogadores contra ele após sua demissão, foi tão impecável que fez rapidamente os torcedores perderem a saudade de Spurrier. Foram apenas seis anos de comando para ele, nos quais ganhou dois títulos nacionais e formou uma parceria icônica com o Quarterback Tim Tebow, um dos maiores jogadores de College Football de todos os tempos. No ano do título de 2008 (o outro conquistado foi em 2006), por exemplo, Tebow teve 42 touchdowns totais, e mais de 600 jardas corridas.


Depois desse período de glória, entretanto, Florida tem tido altos e baixos. Estrelas recentes como Kyle Trask e Kyle Pitts deixaram o time no último Draft, mas também fizeram história nos Gators. Algumas temporadas ruins fazem o futuro da Universidade, mesmo tendo bons jogadores, ser uma incógnita.


AS RIVALIDADES DE FLORIDA GATORS


Kim Klement/USA TODAY Sports

Georgia


Uma das mais ferrenhas e disputadas rivalidades do Futebol Americano Universitário, ela existe desde 1904. A partir de 2009, começou a ser dado como prêmio pela vitória do clássico um remo, apelidado de Okefenokee Oar. Caso você já tenha lido mais textos desta série, pode ter percebido que os troféus concedidos em jogos de rivalidade são realmente bem singulares. Um dos momentos mais marcante da história de Georgia x Florida foi quando, em 1941, o Back Frank Sinkwich correu para 142 jardas e 2 touchdowns – mas o impressionante foi que ele fez tudo isso com o maxilar quebrado!


Tennessee


Também chamada popularmente de Third Saturday in September (O Terceiro Sábado de Setembro), existe desde 1916. Como o nome já dá a entender, a partida é sempre jogada no Terceiro Sábado de Setembro. Tennessee absolutamente dominou o histórico de confrontos até 1954, quando os Gators conseguiram sua primeira vitória. E, desde 2005, o cenário mudou drasticamente e Florida passou a tomar conta do clássico.


Florida State


Claro que não poderia faltar uma rivalidade estadual como essa. Os times se enfrentam desde 1958, e já travaram grandes batalhas de lá até aqui. Florida tem certa superioridade na série até aqui, liderando o histórico de confrontos por 36 a 26 (e houve ainda dois empates). Essa é, talvez, a mais interessante das rivalidades estaduais na FBS.


TRADIÇÕES DE FLORIDA GATORS


Tampa Bay Times

We are the boys


No fim de todo terceiro quarto de todo jogo de Florida em casa, independentemente do placar da partida, os torcedores levantam de seus lugares no estádio, botam os braços envolta dos ombros do fã ao seu lado e entoam a canção We are the boys. É sempre emocionante ver isso acontecendo, pois mostra a união da torcida dos Gators e reforça a paixão pelo time de coração deles. Abaixo, em inglês, a letra da música:


We are the boys from old Florida,

F-L-O-R-I-D-A.

Where the girls are the fairest,

The boys are the squarest

Of any old state down our way.

We are all strong for old Florida

Down where the old Gators play.

In all kinds of weather...

We'll all stick together...

For F-L-O-R-I-D-A.


Gator Chomp


Quando jogadas importantes a favor de Florida acontecem, no fim de algum quarto/jogo/tempo, depois de um touchdown dos Gators ou simplesmente porque sim de vez em quando, é possível ouvir um Chomp do simpático mascote jacaré do programa, como se ele estivesse mastigando os adversários.


RECORDES DE FLORIDA GATORS


Gary W. Green/Orlando Sentinel/Tribune News

  • Jardas passadas: Chris Leak (11,213 Jardas)

  • Touchdowns passados: Danny Wuerffel (114 TDs)

  • Jardas corridas: Errict Rhett (4,163 Jardas)

  • Touchdowns corridos: Tim Tebow (57 TDs)

  • Jardas recebidas: Carlos Alvarez (2,563 Jardas)

  • Touchdowns recebidos: Chris Doering (31 TDs)

  • Interceptações: Fred Weary (15 INTs)

  • Field Goals convertidos: Caleb Sturgis (70 FGM)




BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png