• Lucas Ventura

Commanders ainda não é um mercado atrativo para grandes jogadores

Durante a pré-temporada de 2021, uma das principais trocas entre as franquias foi a entre Detroit Lions e Los Angeles Rams, o que resultou na chegada de Mathew Stafford no time da Califórnia e na conquista do Super Bowl desta temporada. Como foi relevado alguns dias após essa troca, o Washington Football Team, na época, havia tentado uma ofensiva pela aquisição de Stafford, mas apesar de ofereceram múltiplas escolhas do draft para a equipe do Michigan, esta ainda assim optou por trocar com Los Angeles, ao que tudo indica, pela pressão do jogador em não ser enviado para Washington.



Já faz alguns anos que a equipe da capital americana vem sofrendo com a ausência de um nome forte para a posição de quarterback, desde a saída de Kirk Cousins em 2018, a franquia vem sofrendo para conseguir manter um jogador na posição por mais de uma temporada, alternando inúmeros nomes devido a lesões e mau desempenhos. Como o próprio general manager da equipe, Martin Mayhew, admitiu em entrevista na semana passada, já faz algumas semanas em que ele vem conversando com todos os potenciais interessados em uma troca ou possíveis agentes livres, entre eles, o Seattle Seahawks e o agente de Russel Wilson.


Getty Images – Legenda: futuro de quarterback permanece incerto, e ao que tudo indica, Heinicke pode receber uma segunda chance em 2022

Tais comentários vieram logo após a participação de Russell Wilson em um programa da NBC onde revelou estar feliz em permanecer em Seattle por ao menos mais uma temporada, o que tornou a situação muito nebulosa e desanimou os fãs de Washington, que querem adquirir um quarterback para ser a cara da franquia já em 2022. E ao que tudo indica, terão que esperar ao menos mais uma temporada, com a notícia lançada na última terça-feira (8/03), Russell Wilson foi trocado por múltiplas escolhas de primeira rodada para o Denver Broncos, selando assim as chances de Washington adquirir um grande nome para a posição, pois Aaron Rodgers também renovou com o Green Bay Packers.


Após a notícia da troca entre Denver e Seattle, o insider Albert Breer revelou em sua conta pessoal no twitter que tinha informações de que os Commanders haviam oferecido à equipe da costa oeste múltiplas escolhas altas no draft por ao menos três anos, mas que nem isso foi capaz de convencer a franquia a enviar Russell Wilson para lá, pois os Seahawks estavam interessados em uma troca apenas se o quarterback deixasse a conferência nacional.


Mais tarde, também em seu twitter, Albert também relevou que o assunto da troca havia sido tratado de forma muito amigável dentro da organização, pois não havia pressa ou mesmo uma necessidade por parte de Russel Wilson para sair de Seattle. Como se sabe, uma das cláusulas do contrato do jogador era a de que uma troca só poderia ser efetuada com o seu consentimento, e sua primeira opção de saída era justamente Denver, portanto, quando uma oportunidade lhe ocorreu, ele acabou a aceitando.


Créditos: Michael Phillips – Legenda: Russell Wilson busca um recomeço em Denver após campanha fraca com os Seahawks em 2021

Há um burburinho de especulação de que a troca com o Washington Commanders não foi efetuada por decisão pessoal do jogador, que simplesmente não queria ter seu nome associado à franquia. Apesar de não ser uma informação confirmada, já faz alguns anos que a equipe da capital vem sofrendo para adquirir grandes nomes para seu elenco, o que parece ter apenas piorado após a troca do nome, que foi ridicularizado em fóruns dedicados aos Commanders na internet, além das acusações de assédio sexual de seu proprietário, Dan Snyder, que apenas tornaram a situação em Washington ainda mais caótica e incerta.

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png