• Vinicius Kafka

Cardinals vencem os Vikings em final dramático

Um jogo absurdamente insano, com grandes jogadas e alguns apagões defensivos, confiram agora como foi o confronto entre Cardinals e Vikings! Arizona que sentia o gosto de sua primeira derrota na temporada, acabou saindo com a vitória, enquanto os Vikings viram seu Kicker, Greg Joseph ir de herói a vilão em uma semana.



Inicio avassalador de Minnesota


Foram necessárias duas jogadas para os visitantes anotarem o primeiro touchdown da partida, primeiro com Dalvin Cook com uma corrida de 11 jardas e como sabemos, quando o jogo terrestre encaixa, Kirk Cousins pode soltar o braço em play action e foi exatamente o que aconteceu. Touchdown de 64 jardas de KJ Osborn.


Rick Scuteri/AP

Após a abertura de placar as defesas apareceram e ambas as equipes tiveram um “three and out”, até os Cardinals conseguirem empatar o jogo, um drive dinâmico da equipe mandante, com muitas jogadas sem huddle, até Kyler Murray encontrar DeAndre Hopkins na endzone.


Mas os Vikings responderam e voltaram à frente do placar. Em um drive espetacular de Dalvin Cook, a equipe de Minnesota chegou a endzone com passe de Kirk Cousins para o wide receiver Adam Thielen e assim terminando o primeiro quarto em vantagem 14 a 7.


A defesa de Minnesota fez um excelente trabalho na sequência e forçou mais um “three and out” dos mandantes. Com mais um drive bem consistente de Dalvin Cook e Kirk Cousins, os Vikings foram avançando e anotaram mais um touchdown, desta vez Kirk Cousins conectou Justin Jefferson para ampliar o placar. Um primeiro tempo digno de reverências por parte de Kirk Cousins. Mas Greg Joseph teria a primeira queda do dia, ao errar o extra point, que acabaria fazendo muita falta para a sua equipe. 20 a 7.


Reação de Arizona, ainda no segundo quarto


Ross D. Franklin)/AP

O drive de redenção foi insano, isso porque os Cardinals foram do céu ao inferno e do inferno ao céu, seguidamente. Com Kyler Murray ditando o jogo em bom nível, os Cardinals chegaram na redzone, porém quando a equipe chegou na linha de 5 jardas do ataque, Murray conectou Rondale Moore, que acabou sofrendo um fumble, recuperado pelos Vikings. Porém a decisão foi revertida e os Cardinals ficaram com a bola e na sequência Murray correu para anotar o Touchdown. Uma sequência confusa por conta do declínio de uma falta e o fumble, ambos acabaram revertidos.


A defesa de Arizona conseguiu parar os Vikings, forçando o punt e Murray voltou ao campo. Foi necessária apenas uma jogada para a virada dos Cardinals, com 1:45 no relógio para terminar o primeiro tempo. Bola na linha de 23 jardas de defesa, Murray escapa da pressão indo para o lado esquerdo, escapa de dois sacks e encontra Rondalei Moore livre na linha de 41 jardas e o calouro vindo de Purdue anota o touchdown de 77 jardas! Com o extra point convertido, Arizona passou a frente do placar pela primeira vez no jogo, 21 a 20.


Os Vikings reagiram e anotaram um Field Goal de 52 jardas, voltando a liderança restando 20 segundo no relógio, mas se engana quem pensa que o primeiro tempo acabaria assim. Poderia terminar assim em qualquer outro jogo, mas não neste, afinal esta foi uma partida excepcional. Com um chute a meia altura no kickoff para gastar relógio, os Cardinals retornaram muito bem e conseguiram chegar na linha de 34 jardas de defesa, restando 16s segundos.


Kyler Murray acionou Rondale Moore para 4 jardas e na sequência a 10 segundos do fim, Murray novamente encontrou Moore, agora para 18 jardas. Com a bola na linha de 44 jardas a equipe precisava definir se iria para uma Hail Mary ou um Field Goal de 62 jardas e optaram pela segunda alternativa.


Matt Prater, kicker veterano, atualmente o detentor do recorde de field goal mais longo da história (64 jardas), não sentiu a pressão e nem a idade e converteu o chute de 62 jardas, um excelente field goal que deixou os Cardinals a frente do placar. 24 a 23 e aquele extra point fazendo falta para os Vikings.


Segundo tempo: Murray com altos e baixos e Vikings com problemas com Cook


Rick Scuteri/AP

Na primeira campanha do segundo tempo o iLB Nick Virgil fez excelente leitura e interceptou Kyle Murray, a interceptação foi retornada para touchdown e os Vikes começaram o segundo tempo com tudo!


Buscando a redenção, os Cardinals tiveram um drive excelente, correndo bem com a bola e com seu quarterback mostrando uma mentalidade forte, capaz de dar a volta por cima. Drive terminou em touchdown de Murray para AJ Green e assim colocar os Cardinals novamente a frente.


Com Dalvin Cook sentindo dores a equipe de Minnesota teve dificuldades no ataque e simplesmente não anotou touchdowns no segundo tempo. Murray voltou a campo já com mais de 300 jardas passadas, Murray arriscou lançando um passe em uma marcação que parecia simples, porém Xavier Woods fez uma bela leitura e conseguiu entrar na linha do passe para registar a interceptação. Nesse momento do jogo com a interceptação,Murray tinha dois passes incompletos e duas interceptações, números absurdos.


Os Vikings tiveram a chance de capitalizar, ficaram apenas com um field goal de 52 jardas de Greg Joseph. Placar de 33 a 31 para Minnesota. Novamente as defesas se sobressaíram, forçando punt de ambos os lados. Os Cards voltaram a liderar o jogo após um field goal de 27 jardas.


Restando 2:09 para finalizar a partida os Vikings tiveram o “game drive winner” e quem critica Kirk Cousins e o chama de "pipoqueiro" viu o quarterback liderar a equipe e posicionar seu Kicker para o field goal da vitória. Eram 37 jardas e Greg Joseph já havia acertado dois chutes de 52 jardas no jogo, além de acertar outro longo chute no fim do jogo passado diante dos Bengals, que levou o jogo para a prorrogação.


A Maldição: Greg “The Blair” Joseph


Rick Scuteri/AP

Antes de contar o que aconteceu, vamos voltar no tempo. Na temporada de 2016, os Vikings tinham uma boa equipe e estavam no wild card diante do Seattle Seahawks. A equipe perdia o jogo por 10 a 9, até que no estouro do cronômetro a franquia se posicionou para um field goal de 27 jardas (10 jardas a menos que Greg Joseph teve no fim de semana) e o então kicker da franquia, Blair Walsh entraria para a história.


Com o erro do Field Goal, a equipe foi eliminada e gerou enorme zoação nas redes sociais, de que a franquia jamais ganharia um Super Bowl (e ainda não ganhou) e que o erro de Blair Walsh é a prova de uma maldição em cima da franquia. Curiosamente em 2016, antes do erro do kicker, o filme “The Blair Witch Project”(A bruxa de Blair, no Brasil), clássico do terror dos anos 90, recebeu um remake e claro a coincidência entre o nome do filme e o do kicker de Minnesota, apenas aumentou a fama do lance e da maldição em cima da franquia.


Voltando ao jogo entre Cardinals e Vikings, o jogo poderia estar empatado naquela altura, se Joseph não tivesse errado um extra point, o que só aumentou a pressão em cima do jogador. O field goal de 37 jardas não teve direção e os Vikings perderam o jogo por 34 a 33.


Destaques do jogo


Joe Camporeale-USA TODAY Sports

Cardinals: Apesar das interceptações, Murray foi incrível, acertou 29 de 36 passes, passou para 400 jardas e anotou três touchdowns, além de registrar 5 corridas, 31 jardas terrestres e um touchdown. Chase Edmunds, running back, teve boa atuação também. Entre os recebedores destaque para o calouro Rondale Moore que teve sete recepções e 114 jardas, aliás todos os recebedores da franquia foram bem. A linha ofensiva deixou a desejar, cedendo sacks e muitas pressões.


Defensivamente a equipe ficou devendo, depois de um jogo onde pressionaram bem o quarterback, desta vez não foi assim, além de ceder muitas jardas terrestres, como um todo a unidade defensiva falhou e quase entregou o jogo.


Vikings: A equipe ofensivamente foi muito bem, todos os atletas, só faltou anotar um touchdown na segunda etapa e fica esse puxão de orelha, mas Kirk Cousins estava lá, um jogo limpo sem turnovers e colocando a equipe em posição de vencer o jogo. Defensivamente Danielle Hunter com três sacks foi um verdadeiro monstro, além de Nick Virgil que teve a pick six, o jogador estava substituindo Anthony Barr e foi bem.


Pontos negativos: Claro Greg Joseph, mas também a secundária, que segue cedendo muitas jardas, muitas big plays. Tanto Burrow quanto Murray, contra essa secundária, praticamente não erraram passes, porque não havia contestação, este setor precisa melhorar urgentemente. É preciso ter mais disciplina também, evitar faltas.


Um grande jogo e Arizona comemora sua segunda vitória seguida, a equipe viaja até Jacksonville para enfrentar Trevor Lawrence e os Jaguars,mais um jogo contra uma equipe de campanha negativa, será interessante ver Murray frente a frente com Lawrence.


Enquanto os Vikings não possuem tempo para lamentações, a equipe precisa correr contra o prejuízo, iniciar com um recorde 0-2 e diminuem as chances de playoffs e se perderem a terceira complica ainda mais. A Franquia jogará em casa pela primeira vez, recebe o Seattle Seahawks e a promessa é de um grande jogo.

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png