• Rodrigo Menezes

Broncos derrotam Washington em jogo com final emocionante

Antes da rodada começar, muitos olharem para essa partida e decretaram que seria um jogo ruim tecnicamente e até certo ponto bastante chato de assistir. Não vou dizer que estavam errados sobre a primeira parte, já que os erros de ambas as equipes, principalmente dos ataques, deram a dinâmica do confronto. Mas o duelo foi bastante disputado e teve um final emocionante, muito graças a dificuldade desse ataque dos Broncos em não errar nos momentos decisivos. Ainda assim, Denver voltou a vencer, 17 a 10, e afunda ainda mais o Washington.



O jogo começou com ambas as equipes conseguindo avançar relativamente bem no campo até entrar no campo de ataque. A partir daí, nem Teddy Bridgewater nem Taylor Heinicke conseguiram conduzir seus times para o touchdown. No primeiro drive de cada time, ambos saíram de campo sem conseguir sequer posicionar a equipe dentro do FG range, mantendo o zero no placar.


Melvin Gordon, destaque do ataque dos Broncos, anotou dois TDs na partida, mas quase estragou tudo com um fumble no final. (Jack Dempsey – AP Photo)

No segundo drive de Washington, a partida começou a ganhar um contorno interessante, quando a equipe da capital americana entrou dentro da zona de FG. O kicker Chris Blewitt entrou para tentar colocar sua equipe em vantagem, mas quem saiu de campo feliz foi o time de especialistas dos Broncos, que bloquearam a tentativa. Foi o primeiro FG bloqueado do dia, o segundo em duas rodadas, e aconteceria novamente mais a frente na partida, indicando que Washington está com sérios problemas em sua linha de proteção do kicker.


Com o momento a seu favor, Denver foi para o ataque e conseguiu capitalizar, ainda que não da forma ideal. Com um drive de 3 minutos, Bridgewater conduziu o time para a zona de FG e Brandon McMannus colocou os Broncos em vantagem na partida. Na sequência, Washington empata a partida após um drive longo finalizado com um field goal de Blewitt, agora sem susto. O resultado de 3 a 3 refletia o que era a partida: defesas permitindo avanços, mas os ataques sem qualidade para transformar isso em touchdowns.



Landon Collins foi o melhor jogador da defesa de Washington, conseguindo boas jogadas e sendo responsável por manter sua equipe sempre dentro da partida. (Justin Tafoya – Getty Images)


Isso mudou na metade do segundo quarto. Em sua última campanha do primeiro tempo, o ataque dos Broncos finalmente entrou na endzone, e da forma que tem sido a marca do time: passe curto de Bridgewater para Melvin Gordon, e o RB conquistando as jardas necessárias com habilidade. Para completar o bom drive, a equipe ainda deixou pouco mais de 1 minuto no placar, tornando as coisas mais difíceis para Taylor Heinicke. As melhores jogadas de Washington no primeiro tempo foram com seus RBs, e agora o QB teria que usar seu braço em passes mais longos. O resultado, já imaginado, foi a equipe terminar o primeiro tempo 7 pontos atrás, com Heinicke tentando uma Hail Mary no final que foi parar nos braços do safety Justin Simmons.


O segundo tempo da partida mostrou que as duas equipes melhoraram, mas somente na defesa. Com uma sequência de punts, a partida se arrastava de forma sonolenta até Washington encaixar um bom drive no final do terceiro quarto. Saindo da linha de seis jardas de seu campo de defesa e combinando bem passes e corridas, Heinicke finalizou o drive com um excelente passe de 20 jardas para DeAndre Carter na endzone. Partida empatada.


A torcida dos Broncos já mostrava sinais de preocupação e nervosismo, e o drive seguinte só aumentou isso. A equipe novamente avançou até entrar no campo de ataque e parou, e para piorar, McMannus não conseguiu acertar o difícil chute de FG de 53 jardas. O momento era todo de Washington, e a equipe entrou em campo novamente avançando bem com corridas dos RBs. Porém, quando Heinicke teve que lançar, a equipe travou, e foram mais uma vez para o FG. Foi nesse momento que Denver recupera o momento da partida ao bloquear pela segunda vez o kicker Chris Blewitt.



Os erros de Washington nas tentativas de FG custaram caro para o time, que viu os Broncos fazer 10 pontos na sequência dessas falhas. (John McDonnell – The Washington Post)


Com a torcida de volta na partida, os Broncos novamente capitalizaram em cima do erro do adversário. Com um excelente drive, a equipe entrou na endzone novamente com Melvin Gordon, agora em uma corrida de 7 jardas e colocando uma boa frente no placar já na parte final da partida. Com menos de 5 minutos no relógio, Heinicke não poderia contar tanto com seu jogo terrestre para tentar empatar a partida.


E novamente Heinicke falhou. Pressionado, o QB tentou um lançamento longo na endzone já com menos de 1 minuto no relógio, e mais uma vez Justin Simmons foi quem pegou a bola. Para todos que assistiam a partida, no estádio ou em casa, a partida estava finalizada e Denver voltava a vencer após 4 derrotas seguidas. Apesar de Washington ter 3 tempos para pedir, faltavam somente 37 segundos no relógio. Era correr com a bola e garantir a vitória com um first down ou entregar a bola com poucos segundos para o limitado Heinicke ter que vencer a partida com um milagre.


Porém o ataque dos Broncos é inimigo de sua torcida, e tinha outros planos. Na primeira descida, Javonte Williams sofre um fumble, recuperado pelo próprio Denver. Na segunda, Teddy Bridgewater vai para uma jogada de passe sem sucesso, algo que nem mesmo o comentarista da Fox conseguiu entender. E na terceira descida, Melvin Gordon, o principal nome do ataque na partida, sofreu um fumble, dessa vez recuperado por Washington na linha de 24 jardas do campo dos Broncos. Com 2 tempos para pedir e 21 segundos no relógio, Heinicke estava bem vivo novamente na partida. Mas o QB está longe de ser confiável, e sem poder contar com o jogo terrestre, ele não conseguiu produzir nada. A partida terminou com um passe quase na primeira fileira da arquibancada no fundo do campo e a vitória dos Broncos, mais na sorte do que no juízo.



Com duas interceptações, Justin Simmons foi o nome da defesa de Denver na partida, que ainda teve o calouro Pat Surtain novamente fazendo um jogo com nível de veterano. (Jack Dempsey – The Denver Gazzette)


Com a vitória, Denver volta a ficar vivo na sua divisão, ainda que o desempenho da equipe indique que as chances de playoffs são praticamente nulas. A equipe erra demais, principalmente no ataque, e só venceu graças ao trabalho de sua defesa e do time de especialistas. Mais do que a atuação dentro das 4 linhas, a apatia de Vic Fangio e companhia diante dessas falhas é um indicativo de que a temporada já acabou para os Broncos. Se conseguir chegar no cargo até o final da temporada, o Head Coach deve ser demitido, e 2022 será sob a regência de outro treinador.


Já Washington segue mostrando que não tem força para chegar aos playoffs. O ataque até tem algum talento no jogo terrestre, mas é conduzido por um QB que não tem condições de ser titular na NFL. A defesa vai bem, mas falha em momentos decisivos, e o time de especialistas permite com certa facilidade que seus FGs sejam bloqueados. Com Dallas abrindo larga margem e mostrando um bom nível de jogo, está mais do que claro que Washington não vencerá a divisão e, portanto, não irá aos playoffs. O restante da temporada servirá apenas para preparar o time para 2022, evoluindo os jovens jogadores e limpando o elenco dos jogadores sem tanta qualidade, algo que parece sobrar no time.


Destaques


Broncos: Teddy Bridgewater (19/26, 213 jardas, 1 TD); Melvin Gordon (10 corridas, 3 recepções, 62 jardas de scrimmeage, 2 TDs, 1 fumble); Malik Reed (2 sacks e 1 tackle for lost); Justin Simmons (2 interceptações)

Washington: Taylor Heinicke (24/39, 270 jardas, 1 TD, 2 interceptações); Jaret Patterson (11 corridas, 46 jardas); DeAndre Carter (3 recepções, 51 jardas, 1 TD); Landon Collins (1 sack e 2 tackles for lost)


Próximos jogos


Broncos x Cowboys, domingo (07/11), as 15:00, em Arlington.

Buccaneers x Washington, domingo (14/11), as 15:00, em Washington. (A equipe estará de bye na semana 9)

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png