• Aharon Santos

Bastidores da troca pelo C.J. Henderson

O cornerback C.J. Henderson foi selecionado com a 9ª escolha geral do Draft de 2020 pelo Jacksonville Jaguars, porém acabou não conseguindo mostrar seu melhor jogo. Por conta dos motivos que iremos abordar nessa matéria, Jacksonville acabou por trocar o jovem CB para o Carolina Panthers.



DRAFT E INÍCIO DE CARREIRA


CJ Henderson chegou na NFL altamente badalado, sendo amplamente considerado o 2º melhor CB do Draft de 2020 - atrás apenas de Jeff Okudah. A sua reputação era tanta que o Carolina Panthers considerou seriamente selecioná-lo com a sétima escolha geral até o então GM Marty Hurney bater o pé na seleção do DT Derrick Brown.


Teve uma boa estreia na liga, conseguindo uma interceptação para o Jacksonville Jaguars logo em seu primeiro jogo, porém acabou tendo um resto de temporada mais discreto - exacerbado por uma lesão na virilha que o tirou de 7 jogos na sua temporada de calouro.


A TROCA PELO LADO DE JAX


AP/Phelan M. Ebenhack

O investimento feito para a seleção do CB C.J. Henderson foi bem alto - uma escolha de Top 10 do Draft, porém não foi feito pela equipe que comanda o time atualmente. O HC Urban Meyer e o GM Trent Baalke chegaram apenas em 2021 na franquia, portanto não participaram do processo de scout e seleção do jogador por parte de JAX.


Após sua primeira interceptação na NFL, Henderson foi perguntado sobre como foi interceptar Philip Rivers, tendo em vista que CJ teria supostamente crescido assistindo um jogador da longevidade de Rivers. Sua resposta não foi tão otimista, já que após um dos poucos sorrisos soltados em público o então novato revelou: “não, não sou muito fã de futebol americano…” Isso, por si só, não é tão problemático. Assim como em muitos trabalhos, vários jogadores não são fissurados por sua área de atuação.


O problema maior ocorre quando esse não-fanatismo acaba se transformando em falta de vontade de treinar ou performar, o que parece ser o caso para o C.J. Henderson. Segundo Eric Dilla, insider de Jacksonville, Henderson chegou a considerar a aposentadoria durante a offseason. A insatisfação do CB com o esporte chegou ao nível de o HC Urban Meyer e o HC Assistente Charlie Strong terem de ir até sua casa pessoalmente para conversar com ele sobre o seu futuro.


Juntando os fatores psicológicos com as questões de saúde física, a troca não é algo totalmente irresponsável por parte do Jacksonville Jaguars caso seja entendido que o problema de motivação está no jogador e não na comissão técnica - que vem sendo altamente criticada pela mídia.


A TROCA PELO LADO DE CAR


Panthers/Chanelle Smith-Walker

O GM Scott Fitterer e o GM Assistente Dan Morgan, do Carolina Panthers, passaram quase uma década trabalhando na diretoria do Seattle Seahawks. Durante seus tempos lá, a franquia ficou conhecida por selecionar e contratar jogadores que, em muitos casos, tinham seus nomes “riscados” por outras franquias devido a problemas extra-campo. Esse comportamento, combinado com a filosofia do HC Matt Rhule de “dar segundas chances” aos jogadores, muito herdada de seu pai, que era pastor, acaba por contribuir para que casos como esse possam agradar a diretoria dos Panthers.


O jogador não é totalmente estranho da comissão técnica. O técnico de CBs e Diretor de Avalição de Jogadores Evan Cooper é um membro muito presente na comissão técnica e na diretoria do time, com Cooper fazendo parte da comissão técnica de Baylor quando Matt Rhule e o DC Phil Snow treinavam a universidade. Durante seu tempo em Baylor, Cooper coordenou o recrutamento que os apromixou de Henderson a ponto de oferecerem uma bolsa de estudos para o jogador que viria a jogar pelo Florida Gators.


Jogadores como Deonte Brown e Daviyon Nixon tinham problemas fora de campo sendo citados frequentemente pelos avaliadores e pela mídia, porém isso não proibiu o Carolina Panthers de selecioná-los no Draft de 2021. Sam Darnold e Robby Anderson foram alguns dos jogadores que a comissão de Matt Rhule “ressuscitou”, vindo desde os tempos de College.


MathBomb

Obviamente, o Carolina Panthers não foi atrás do C.J. Henderson apenas pela vendetta pessoal. O time considerou fortemente a seleção dele no Draft, com rumores inclusive dizendo que o HC Matt Rhule desejava dar trade down e realizar a seleção, porém o então GM Marty Hurney teria batido o pé pelo DT Derrick Brown.


Como pode-se ver na imagem acima, Henderson tem um perfil atlético basicamente idêntico ao do CB Jaycee Horn, selecionado por Carolina no Draft de 2021, e que é o perfil ideal aos olhos da comissão técnica e da diretoria que veio de Seattle. Também agrada ao DC Phil Snow, já que Henderson é especialista em cobertura homem-a-homem, assim como o novato Jaycee Horn. A maior crítica destinada ao jogo de Henderson na época do Draft era a sua forma de tackle abaixo da média, porém o Carolina Panthers conta com um histórico de evolução dos CBs nesse quesito que pode ajudar o jovem CB em busca de uma melhora de seu jogo.


Apesar das conversas terem se intensificado após a lesão do próprio Jaycee Horn, que o tirará dos gramados por 2 a 3 meses, e com o time chegando até a contatar o veterano CB Richard Sherman, essa troca já era discutida desde a pré-temporada pelos times. A organização não vê o Henderson como um tapa-buraco, mas sim como um plano a longo prazo que pode render muitos frutos. Não é muito comum alguém do talento e idade do CJ ficar disponível em uma troca dessa maneira, então o time viu uma oportunidade única e decidiu agarrá-la mesmo com os riscos presentes.


A secundária do Carolina Panthers é muito jovem e promissora, com os veteranos sendo o CB A.J. Bouye, que está voltando de lesão/suspensão, e o CB Donte Jackson, que está em seu último ano do contrato de calouro e que está jogando bem o suficiente para justificar uma extensão de seu contrato - que não deve ser influenciada pela troca realizada nessa semana.


COMPENSAÇÃO


MathBomb

O Carolina Panthers enviou o TE Dan Arnold e uma escolha de 3ª rodada pelo CB C.J. Henderson e uma escolha de 5ª rodada do Jacksonville Jaguars. Arnold havia sido contratado nessa inter-temporada e era o TE titular do time. Após três jogos de produção razoável, Carolina não queria se desfazer do veterano que liderava o grupo de TEs do time, porém Jacksonville fazia questão de contar com especificamente esse jogador para que a troca fosse realizada.


Com os Panthers tendo o promissor Tommy Tremble e o jovem Ian Thomas no elenco, além de outras peças de profundidade, foi possível a realização da troca por um preço muito barato se considerada a situação cruamente: um jogador talentoso, que combina com os moldes do time, escolhido no Top 10 do Draft anterior.


Essa combinação é extremamente rara e benéfica até para o teto salarial, porém é necessário entender os motivos que levaram Jacksonville a trocar o jogador e também entender a confiança da comissão técnica de Carolina em reverter essa situação com a ótima cultura que vem sendo construída em Charlotte.



E aí, torcedor? Acha que C.J. Henderson conseguirá seguir com a sua carreira sem maiores transtornos? Conta para a gente!

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png