• Rodrigo Menezes

Análise dos QBs da AFC Oeste – Semana 9

Metade da temporada se foi, e a AFC Oeste é a divisão mais equilibrada da NFL. Os quatro times têm nesse momento 5 vitórias, e apesar de Broncos e Chiefs ainda terem que passar pela bye week, ninguém pode ser descartado dessa briga, nem mesmo o Denver Broncos, que de forma surpreendente amassou o Dallas Cowboys dentro do Mundo de Jerry. A divisão promete continuar sendo muito disputada até a semana 18, e os detalhes irão determinar quem será o campeão, principalmente eles, os queridos Quarterbacks. Chegou a hora de analisarmos o desempenho desses jogadores e tentar projetar o que esperar deles para as próximas rodadas.



Começamos pelo QB do líder da divisão. Justin Herbert teve uma excelente partida no último domingo contra os Eagles, e mostra que conseguiu superar as duas partidas ruins que a equipe teve anteriormente contra Ravens e Patriots. Com um aproveitamento de quase 85% dos passes, Herbert conseguiu fazer o ataque sempre chegar próximo da endzone adversária. Ainda assim, sua equipe sofreu para ganhar dos Eagles, graças a um jogo corrido que deixou muito a desejar. Diante desse cenário, duas coisas chamaram a atenção nessa partida: Herbert foi bem protegido, e por esse motivo teve tranquilidade para ser decisivo, e mesmo sem contar com o jogo terrestre eficiente, o camisa 10 conseguiu fazer os Chargers terem domínio no relógio e não ter chutado nenhum punt na partida. A evolução do QB é notória, e se os Chargers conseguirem continuar protegendo, evoluir sua defesa e seu jogo terrestre, Herbert tem totais condições de levar LA ao título da divisão.


Herbert vem sendo o melhor QB da AFC Oeste em 2021. Na última rodada, ele foi praticamente imparável e conduziu os Chargers a uma importante vitória contra os Eagles. (Matt Rourke – AP Photo)

Seguimos nossa análise falando agora de Derek Carr. O QB dos Raiders tem sido um dos destaques desse ataque, que não tem contado tanto com Josh Jacobs e Darren Waller, e ainda assim é um dos melhores da liga. É possivelmente a melhor temporada de Carr em termos de nível de jogo, mas isso também está tendo um efeito colateral: com 8 jogos, Carr já lançou 7 interceptações, e está no ritmo de superar as 13 lançadas em 2015 e 2017, piores temporadas do QB nesse quesito. Na partida contra os Giants, há um atenuante que deve ser considerado e que certamente impactou o time na derrota para NY: a dispensa de Henry Ruggs. O WR podia até não ser o alvo favorito de Carr e com certeza estava ainda longe de ser o jogador que se esperava, mas ele representava uma ameaça importante nesse ataque dos Raiders. Ruggs era o principal responsável por estender o campo de Las Vegas, correndo muitas vezes rotas longas e mantendo os Safeties adversários sempre receosos com sua presença. Carr conseguiu boas jogadas contando com a participação direta ou indireta de Ruggs, e sem ele, o ataque os Raiders sofreu mais com a defesa adversária no último domingo. As duas interceptações lançadas podem ser relacionadas, ainda que não completamente, a esse fato. E se quiser voltar a liderar a divisão e conquistar uma vaga nos playoffs, Carr e os Raiders terão que encontrar uma alternativa para Ruggs. O camisa 4 entrou pressionado na temporada, estava calando os críticos, mas agora se vê em um cenário desafiador. Veremos como ele se sairá nas próximas rodadas.


Derek Carr sofreu mais do que vinha acontecendo nas rodadas anteriores. Sem ter Ruggs para estender o campo, o QB teve uma partida ruim e viu seu time perder o jogo e a liderança da divisão. (Dustin Satloff – Getty Images)

Quando falamos de QBs da AFC Oeste, o primeiro nome que surge na mente é Patrick Mahomes. Mas essa temporada tem sido duríssima para o camisa 15. O ataque dos Chiefs vem sofrendo demais com drops e turnovers difíceis de engolir, e é nítido que a confiança da equipe está abalada por isso. Mas acima de tudo, é evidente que Mahomes está incomodado demais com a situação da equipe. O QB não se sente à vontade em campo como nas temporadas anteriores, e Tyreek Hill e Travis Kelce, seus grandes parceiros em campo, vem passando por uma fase ruim, ainda que o WR melhore a cada rodada. Nessa partida contra os Packers, dois fatos chamam a atenção quando falamos de Mahomes: a ausência de turnovers diante de uma defesa que vem evoluindo rodada após rodada, e a vibração do camisa 15 quando completou o passe para o Tyreek Hill no final do jogo, garantindo a vitória dos Chiefs. Essa jogada especificamente me chamou a atenção, já que em anos anteriores era rotina ela acontecer nesse ataque, mas nessa temporada vem sendo um grande problema. A vibração do Mahomes foi mais do que para celebrar a vitória, mas também uma forma de extravasar a frustação pelo ano ruim que a equipe vem tendo. Ela pode marcar o retorno da confiança de Mahomes em Hill e Kelce, e isso pode ser uma virada do momento do time na temporada. Kansas pode estar jogando mal, mas todos sabemos o que eles podem produzir se acordarem, principalmente com Mahomes muito confiante. Abram o olho para essa equipe, porque eles estão longe de estarem mortos.


Mais uma vez Mahomes teve dificuldades, agora contra os Packers. Ainda assim, o QB não sofreu nenhum turnover e fez uma jogada no melhor estilo Mahomes para garantir a vitória. (Jamie Squire – Getty Images)

O último QB a ser analisado certamente deve ser o mais fraco da divisão. Teddy Bridgewater não está como titular dos Broncos por ser um jogador espetacular. Longe disso, inclusive. Sua titularidade se deve ao fato dele cuidar bem da posse de bola e não se expor em lances desnecessários. E nas últimas semanas, ele vinha sendo exatamente o contrário disso. Por esse motivo, a atuação do QB diante dos Cowboys e a vitória dos Broncos foram tão surpreendentes. É óbvio que Bridgewater não foi o grande fator do time nessa vitória. Quem assume esse posto é a defesa que segurou com muito sucesso Dak Prescott e companhia, e no ataque certamente o destaque foi Javonte Williams, RB calouro que correu para 111 jardas. Ainda assim, é inegável que Teddy Bridgewater teve participação nessa vitória. Após um primeiro drive ruim, com os mesmos problemas de rodadas anteriores acontecendo, o camisa 5 voltou a campo com uma postura diferente, e soube liderar esse ataque para a vitória. Em 10 drives, o ataque esteve em posição de anotar pontos em 7 oportunidades, e a equipe não sofreu nenhum turnover na partida. É para ser esse líder que Bridgewater foi escolhido para ser titular, e quando isso funciona, Denver joga bem. Qual a versão que veremos na semana 10: o louco lançador de passes ruins e interceptações, ou o líder que cuida bem da bola e conduz esse ataque de forma eficiente? A vitória dos Broncos contra os Eagles dependerá muito disso.


Teddy Bridgewater voltou a fazer uma partida segura, e não à toa os Broncos venceram. QB ficou longe dos turnovers e com isso Denver conseguiu uma vitória surpreendente contra o forte Dallas Cowboys. (Aaron Ontiveroz – The Denver Post

Com as equipes muito próximas na tabela, os QBs são fatores que podem ser decisivos para vencer o título da divisão. Não à toa o melhor QB dentre os 4 no momento é do time que está na liderança. Mas não descartem nem Derek Carr nem Mahomes, já que sabemos o quanto eles podem render, principalmente o segundo. Jamais descarte os Chiefs enquanto Mahomes for seu titular. Mas por enquanto o mesmo não pode ser dito dos Broncos. O time é muito forte, e essas vitórias nos fazem lembrar disso. O problema é a falta de um QB com maior qualidade. Ainda assim, quando ele entende seu papel, Denver cresce. Por esse motivo, veremos a disputa pelo título seguir acirrada até o final. Bom para nós, que gostamos de ver jogos pegados e disputados.

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png