• Douglas Dolijal

Aaron Rodgers e Green Bay Packers, será esse o fim?

À medida que chegamos a mais uma offseason a novela Rodgers e Packers ganha mais holofotes, principalmente com a situação de cap que a franquia do Wisconsin enfrenta, e declarações do QB e de alguns ex-companheiros de jogador, que sempre aumentam mais ainda a tensão dos torcedores do time. Mas afinal de contas, como realmente estaria essa situação?



Desde o draft de 2020 quando Green Bay selecionou o Quarterback Jordan Love no primeiro round, após declarações de Aaron pedindo por “Skill players”, rumores de uma saída do Qb ganham mais força a cada momento em que os Packers não estão em campo. Não diferente este ano, após a eliminação no divisional round para os 49ers, Rodgers deu uma declaração informando que informaria suas intenções para a franquia até o início da Free Agency, na terceira semana de março. Desde então, rumores de destinos para o jogador não têm faltado, como uma compra de casa no estado do Tennessee, ou até ser o “sucessor” de Brady nos Buccs, porém, ainda sem nada oficial vindo dos Packers ou Rodgers, fica difícil de ter certeza sobre onde o MVP de 2020 e forte candidato ao prêmio em 2021 irá jogar.



Charles Woodson, ex-jogador dos Packers, campeão do Super Bowl XLV, e companheiro de Rodgers de 2006 a 2012, deu uma declaração sobre o assunto, onde disse que a situação de uma troca do QB, não seria bom apenas para o jogador, mas que também poderia ser boa para a franquia, que enfrentará problemas sérios de cap em 2022. As exatas palavras do Hall of Famer, segundo Michael David Smith do Pro Football Talk foram: “Se eu sou os Packers, eu pensaria em trocar Rodgers se pudermos”. O que não é de todo errado, se pensarmos que Rodgers seria o jogador mais valioso da liga hoje, e isso facilitaria a vida financeira e de uma reformulação de Green Bay.



“Nós queremos ele (Rodgers) de volta em 2022”, foi o que disse o Presidente e CEO da franquia quando questionado sobre a situação do QB para 2022.

Mesmo sabendo que a situação não será fácil, estando cerca de 45 milhões acima do Cap para a próxima temporada, e o desejo explícito de Aaron de não fazer parte de uma reconstrução se for jogar no próximo ano, Mark Murphy diz ter plena convicção que sua equipe poderá encaixar-se nos novos números do teto salarial, manter Rodgers e manter alguns nomes importantes, nome este que deverá ser Davante Adams, alvo favorito de Aaron nos últimos anos. Porém, se não fosse ruim já ter o cap, a perda do seu Coordenador Ofensivo para o cargo de Head Coach nos Broncos (possível destino de Rodgers), e de seu treinador de quarterbacks, que será Coordenador Ofensivo nos Bears, podem implicar, e muito, em uma decisão de saída do QB para novos ares.


Muitos outros capítulos desta novela estão por vir até o dia 16 de março, se ficar ou não, a tendência é que o ano dos packers seja cheio de caras novas, principalmente por cortes em jogadores com alto impacto na folha salarial. Mas conta para a gente, torcedor; gostaria de ver Rodgers por mais um ano em Green Bay? E pelo que você trocaria seu QB?

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png