• Rodrigo Menezes

3 fatos para se empolgar e para se preocupar: Cincinnati Bengals

Não é segredo para ninguém que desde 2019 o Cincinnati Bengals vem passando por um processo de reestruturação. A equipe que foi quatro anos seguidos aos playoffs foi envelhecendo e tendo pouca ou nenhuma renovação. Aquele projeto baseado em Andy Dalton e A. J. Green não rendeu um anel de Super Bowl como sua torcida esperava e chegou ao fim de forma melancólica com a saída do Head Coach, Marvin Lewis, em 2018, após 16 anos no cargo.


Para conduzir esse processo, o time contratou Zac Taylor, e aos poucos foi abrindo mão dos experientes jogadores e trazendo sangue novo para os Bengals. A principal aquisição foi o QB Joe Burrow, que chegou em 2020 e colocou um ponto final na passagem de Andy Dalton. E é em cima do ex-jogador de LSU que o projeto de reestruturação dos Bengals se apoia.


Joe Burrow é a peça central no processo de reestruturação dos Bengals. (Jamie Sabau – Getty Images)

Apesar de saber que tal processo leva tempo, as cornetas começam a surgir cobrando que Zac Taylor comece a mostrar resultados melhores. Indo para seu terceiro ano como HC, ele tem 6 vitórias, 25 derrotas e 1 empate. A temporada 2021 será muito importante para que ele possa mostrar evolução de seu trabalho.


A partir desse cenário, fizemos uma lista dos 3 fatos empolgantes e 3 fatos preocupantes de Cincinnati:


3 Fatos empolgantes


Dupla Joe Burrow – Ja’Marr Chase: Ficou muito claro para todos que a escolha de Chase foi baseada no sucesso que a dupla teve em 2019 quando jogavam por LSU. Essa parceira foi o motor do ataque dos Tigers e conduziu a equipe ao título nacional naquele ano, após 12 anos de espera. Os números impressionam: 84 recepções, 1.780 jardas e 20 touchdowns. A expectativa de que esse desempenho se repita foi o que motivou os Bengals a deixarem o OL Penei Sewell passar no draft, algo que foi bastante questionável para alguns. Porém, A. J. Green deixou Cincinnati nessa offseason, e Ja'Marr Chase tem tudo para o substituir a altura. E conta muito o entrosamento e sintonia entre ele e Burrow, a ponto de o novato já traçar uma meta para sua temporada de estreia: 1.500 jardas. O garoto está empolgado.


Burrow e Chase levaram LSU ao título nacional depois de 12 anos de jejum. (Carmen Mandato – Getty Images)

Tee Higgins e Tyler Boyd: se tem alguma coisa que deu certo no ataque dos Bengals em 2020 foi essa dupla de WRs. Eles estão garantidos em 2021 e serão uma grande ajuda para o novato Ja'Marr Chase conseguir se desenvolver rapidamente. Afinal, a dupla foi responsável por pouco mais da metade das jardas e touchdowns aéreos na última temporada, mostrando que mesmo sem ter status e habilidades de um primeiro WR, eles podem fazer muito bem o seu trabalho e ajudar demais esse ataque. Joe Burrow estará muito bem servido de recebedores em 2021.


Boyd e Higgins foram dois dos poucos que se salvaram no ataque dos Bengals em 2020. (Joseh Maiorana – USA TODAY Sports)

Joe Mixon: o RB teve um 2020 complicado. Com contrato renovado em agosto, Mixon vinha fazendo uma temporada um pouco abaixo do esperado quando sofreu uma lesão no pé na semana 6. O RB foi colocado na injury reserve e ficou fora do time até o final da temporada. Para 2021, há bastante otimismo com a parte física de Mixon. Zac Taylor vem demonstrando empolgação com o seu RB. “Joe faz tudo que pedimos para ele fazer. Ele tem agarrado bem a bola, sabe quem tem que bloquear, como fazer. Ele é um corredor muito forte. Estou muito empolgado de poder contar com ele saudável e ver o que ele pode fazer nesse ano”, afirmou Taylor. A expectativa, portanto, é que Mixon participe muito desse ataque, podendo repetir os bons anos de 2018 e 2019, onde ele teve médias acima de 4 jardas por tentativa. Os torcedores dos Bengals torcem muito por isso.


Zac Taylor espera uma excelente temporada de Mixon em 2021. (Andy Lions – Getty Images)

3 fatos preocupantes


Linha ofensiva: em sua primeira temporada na NFL, Joe Burrow pode dizer que sua OL não ajudou muito em seu desenvolvimento. Foram 32 sacks em 10 jogos, e muitos outros hits sofridos, que acabaram resultando em uma lesão no joelho que abreviou a temporada do calouro. Após 16 jogos, o número de sacks foi para 48, colocando a OL dos Bengals como uma das 5 piores da NFL. Cincinnati até teve a oportunidade de pegar o talentoso Penei Sewell nesse último draft, mas deixou o jogador passar e escolheu Ja'Marr Chase em seu lugar. Mesmo tendo escolhido 3 jogadores de OL mais para frente, ainda há muitas dúvidas sobre a qualidade que essa linha terá em 2021. Tudo o que os Bengals não precisam é de Joe Burrow novamente apanhado demais em todos os jogos e ficando muito exposto a uma nova lesão.


Momento da lesão de Joe Burrow em 2020. QB sofreu 32 sacks em 10 jogos. (Al Drago – AP Photo)

Defesa: em 2020, a defesa dos Bengals foi a 26ª na liga, cedendo 6.227 jardas aos adversários. Durante a offseason e o draft, Cincinnati fez mais um trabalho de reposição de jogadores que saíram do que efetivamente trazer peças que vão melhorar a qualidade da defesa. A única exceção é Mike Hilton, que veio dos Steelers e é um CB muito ágil e inteligente, tendo um potencial muito bom para jogadas de blitz. Mas como dizem os sábios, uma andorinha só não faz verão, e essa defesa ainda levanta muito mais incertezas do que segurança.


Defesa do Bengals foi uma das piores da NFL em 2020. (Scott Galvin – USA TODAY Sports)

Calendário difícil: a AFC Norte é a divisão com calendários mais complicados da temporada, e os Bengals não são exceção. Cincinnati terá 9 jogos contra times que foram aos playoffs em 2020 (Bears, Packers, Steelers, Browns, Ravens e Chiefs), e ainda enfrenta 49ers, Chargers e Broncos, 3 times que estão aparentemente melhores para essa temporada. Com um time em reestruturação e um calendário tão complicado como esse, é importante que os Bengals mostrem evolução em relação às temporadas anteriores se quiser aumentar o número de vitórias. Mesmo que o time perca a maioria dos confrontos, algo até certo ponto esperado, é importante que o time mostre um rendimento melhor, para que o emprego de Zac Taylor esteja garantido em 2022 mesmo com mais uma temporada com poucas vitórias. O HC dos Bengals terá um desafio bastante complicado em 2021.

BANNERLATERAL_TRAKTOR.png
BANNERLATERAL_FANATICA.png